ECONOMIA FISCAL E INOVAÇÃO

Aqui no blog você se informa sobre tudo o que compete ao universo fiscal: alterações legislativas e normativas, obrigações acessórias, regimes especiais, jurisprudência, e muito mais.

Descubra qual a diferença entre inovação radical e disruptiva

Você sabe qual é a diferença entre inovação radical e disruptiva? Apesar dos nomes similares, capazes de gerar dúvidas, esses dois conceitos são distintos e é fundamental entendê-los a fim de usá-los a favor da Lei do Bem.

Para ajudá-lo a compreender melhor tal tema, preparamos este post com todos os detalhes sobre inovação radical e disruptiva. Continue a leitura e confira!

O que é inovação disruptiva?

A pesquisa de inovação disruptiva consiste em um processo no qual os novos participantes desafiam as empresas já estabelecidas, apesar de, em geral, contarem com recursos inferiores. Esse fato pode ocorrer das seguintes formas:

  • com a criação de mercados em locais onde ele não existe, a fim de transformar não consumidores em consumidores;
  • definição de ramos negligenciados do mercado como alvos para que, posteriormente, seja possível ascender ao mercado como um todo.

Dessa maneira, a inovação disruptiva está diretamente relacionada com os novos modelos de negócio e novas tecnologias que promovem disrupção em um mercado já existente.

Contudo, é válido ressaltar que a ruptura não está relacionada somente à tecnologia, mas também à combinação de tecnologia e inovação do modelo de negócio.

GT Consultoria

O que é inovação radical?

Já a inovação radical, por sua vez, é complexa e pode ser definida de diferentes formas. Em geral, o processo utilizado para explicá-la é a estratégia do oceano azul, que propõe uma abordagem diferente para o crescimento de um negócio — expressão oposta a “mar vermelho”, usada para definir mercados saturados e com grande concorrência.

Nesse caso, a ideia é que, em vez de uma companhia disputar uma parte do mercado, ela tenha como objetivo explorar novos mercados — fator que exige investimentos de recursos e tempo.

Quais são os pilares de cada conceito?

A inovação disruptiva tem como pilar estratégias organizacionais, ou seja, a criação de novos modelos e novas unidades de negócio para alavancar um mercado.

Já a inovação radical tem como pilar as capacidades dinâmicas e organizacionais, uma vez que o seu objetivo é melhorar as próprias competências a fim de avançar mais rápido no mercado quando comparado a seus concorrentes.

Como funciona a inovação disruptiva?

A inovação disruptiva, como vimos, torna os serviços e produtos mais acessíveis e disponíveis para um maior número de pessoas, transformando não-consumidores em consumidores.

Assim, para colocá-la em prática, é preciso realizar pesquisas e experimentos na intenção de obter um novo modelo de negócio. Um grande exemplo de inovação disruptiva são os serviços de streaming, tanto de músicas quanto de filmes.

Como funciona a inovação radical?

Para colocar em prática a inovação radical, é fundamental procurar novos mercados, ou seja, buscar oportunidades em locais em que as demais companhias ainda não enxergaram futuro.

A inovação radical tem como objetivo o impacto de longo prazo e está relacionada à substituição de produtos atuais, mudança do relacionamento entre fornecedores e clientes e, ainda, com a criação de categorias de produtos completamente novas.

Qual é a diferença entre elas em relação à Lei do Bem?

Lei do Bem é uma legislação que concede incentivos fiscais para as empresas que realizam investimentos em pesquisa e desenvolvimento a fim de obter a inovação tecnológica.

Dessa maneira, apesar de existir diferença entre inovação radical e disruptiva, ambas são consideradas como inovação para a referida norma, uma vez que, de acordo com a legislação, tanto a criação quanto o aprimoramento de novos serviços ou produtos se encaixam em seus requisitos.

Assim, as empresas que desejam receber os incentivos da Lei do Bem podem realizar investimentos em pesquisa e desenvolvimento tanto na inovação radical quanto na disruptiva, a depender de seus interesses.

Agora que você já sabe qual é a diferença entre inovação radical e disruptiva, lembre-se que é fundamental contar com o auxílio de uma consultoria de qualidade para que as suas dúvidas em assuntos como esse sejam sempre esclarecidas rapidamente e da maneira correta.

Se você gostou das dicas que encontrou neste post, siga nossas redes sociais para receber atualizações sobre os nossos novos conteúdos! Estamos no Facebook e LinkedIn.